quinta-feira, 29 de julho de 2010

Resenha: As Cinco Pessoas Que Você Encontra No Céu - Mitch Albom

Vou começar a pegar um tempinho para resenhar meus livros favoritos. Aqueles que realmente mexeram comigo. Para começar, uma obra que li (e depois reli) há alguns anos: As Cinco Pessoas Que Você Encontra No Céu, do autor americano Mitch Albom.

O livro, que em 2004 virou um filme (lindo, por sinal! Eu também tenho e recomendo!), conta a história de Eddie, mecânico de um parque de diversões, que morre no dia de seu aniversário de 83 anos, tentando salvar uma garotinha da queda de um brinquedo.

Imerso numa rotina de trabalho e solidão, ele passou a vida se considerando um fracassado. Ao acordar no céu, encontra cinco personagens inesperados que lhe mostram a importância de sua vida.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Resenha: "Got Fangs? - Confessions Of a Vampire's Girlfriend" de Katie Maxwell

Mais um livro de mistério sobrenatural: “Got Fangs? - Confessions Of a Vampire's Girlfriend” da autora americana Katie Maxwell. A obra faz parte de uma série chamada Dark One, que já conta com dois livros publicados nos EUA. Infelizmente, não há previsão de lançamento aqui no Brasil.

Got Fangs (a tradução seria mais ou menos como “Tem presas?”. Provavelmente uma sátira a propaganda americana famosa “Got Milk?”) conta a história de Francesca Getti, uma garota de dezesseis anos que quer ter uma vida normal, onde ela seria apenas mais uma na multidão... pois assim ninguém saberia o quanto esquisita ela é.

Arrastada pela Europa por sua mãe para se juntar a uma Feira Gótica (um grupo viajante de psíquicos, mágicos e uma variedade de outras esquisitices), Fran tem que lidar não só com a angústia normal de sempre ser um peixe fora d'água, mas também com o fato de ser uma psicometrista (capacidade de subtrair de alguém ou de algo seus pensamentos, sentimentos e passado).

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Comentários: True Blood 3x06 - I Got A Right To Sing The Blues

Agora sim a terceira temporada da série True Blood está esquentando! Adorei este sexto episódio, chamado I Got A Right To Sing The Blues, que foi ao ar, pela HBO americana, no domingo, dia 25 de julho.

Spoilers!

Às vezes eu critico o fato do seriado não estar seguindo exatamente o enredo dos livros, mas confesso que a trama está bem envolvente e, agora, nem tão diferente do livro assim. A única coisa que continua me irritando é a imagem de bom moço que estão fazendo do Bill e, pior, a imagem de mau caráter que colocaram no Eric. Luta pela audiência é fogo!

Neste episódio a Sookie é interrogada por Russell (rei do Mississipi) sobre seus poderes. Tenho uma dózinha dela, coitada, ela própria nem sabe o que se passa. Gostei muito, como sempre, da interpretação da Anna Paquin... uma Sookie perfeita tanto quando está sofrendo, quanto quando está irritada (ambos extremos mostrados no episódio).

Mais uma vez, temos cenas bizarras no episódio... com direito a muito sangue jorrando, peitoral sendo cortado sem anestesia e cabeça sendo estraçalhada... bem no estilo True Blood mesmo.


A Tara está mais forte e, conseqüentemente, menos chata. Entenda: menos chata (chata ainda!). Ela pensou rápido em alguns momentos, conseguindo salvar sozinha a amiga e ainda escapar de vampiros e lobisomens. Quem diria!?

Neste episódio descobrimos o verdadeiro motivo para os pais de Sam estarem tão obcecados por Tommy, embora a explicação seja meio clichê.

Jason surtando como sempre, novamente achando que é policial, arrumando briga, se apaixonando por mulheres erradas. O de sempre, o de sempre.


A Jéssica e a Arlene, como já até comentei, são umas das melhores personagens e agora trabalhando juntas, então, está muito legal. Uma vampira adolescente com uma medrosa dá como resultado boas cenas. Bem sacado mesmo!

No fim, Russell faz uma proposta de casamento a Sophie-Anne, rainha de Louisiana. De fato isso acontece nos livros, mas bem mais para frente e não sob as mesmas circunstâncias. Tudo bem que isso não faz muita diferença, mas Eric se voltando contra a rainha é demais! O que vai acontecer agora, ele terá que se mudar para Mississipi e abandonar o Fangtasia? Fala sério!

O episódio acabou com um bom gancho para o próximo: duas rivais brigando. Hum... legal!

True Blood pegou gás agora, tô sentindo! Ansiosa para o próximo episódio!

Confira a promo de True Blood 3x07, Hitting the Ground, que vai ao ar dia 1 de agosto:

domingo, 25 de julho de 2010

Resenha: Cidade dos Ossos - Instrumentos mortais 1

Mais um livro de aventura e romance sobrenatural que entrou na minha lista de preferidos: City Of Bones (Cidade de Ossos), da americana Cassandra Claire. A obra é a primeira parte da trilogia chamada The Mortal Instruments (Os Instrumentos Mortais) que também tem os livros City Of Ashes (Cidade de Cinzas) e City Of Glasses (Cidade de Vidro). Além disso, será lançado nos EUA em março de 2011 um spin-off da série de livros chamado City of Fallen Angels (Cidade dos Anjos Caídos). A previsão é que em agosto a editora Galera Record publique o primeiro volume aqui no Brasil.

City of Bones conta a história de Clarrisa (Clary) Fray, uma jovem nova-iorquina de 15 anos que testemunha um assassinato num bar. O problema é que o corpo desaparece e os assassinos, três adolescentes cobertos de tatuagens de runas antigas e portando armas estranhas, não são vistos por mais ninguém além dela.

Este é o primeiro encontro de Clary com os ShadowHunters (Caçadores de Sombras), guerreiros dedicados a livrar a Terra dos demônios. É também seu primeiro encontro com Jace, um shadowhunter sarcástico e encantador. Ela se vê envolvida no mundo de Jace quando sua mãe desaparece e Clary passa a ser atacada por demônios que querem um dos Instrumentos Mortais: a Taça Mortal, desaparecida há anos.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Dica de DVD: Lembranças (Remember me)

O filme Lembranças (Remember me), lançado em março de 2010 aqui no Brasil, traz como protagonista o ator queridinho das adolescentes, Robert Pattinson (o vampiro Edward da saga Crepúsculo), numa atuação razoável, num filme que superou minhas expectativas.

Em Lembranças, Pattinson interpreta Tyler Roth, um jovem de 22 anos, que tem uma relação tensa com seu pai, interpretado por Pierce Brosnan, desde o suicídio de seu irmão mais velho.

Ele conhece Ally, interpretada por Emilie de Ravin (a Claire do seriado Lost), filha do policial que o prendeu. Ela também carrega no passado a perda de um ente querido, sua mãe, assassinada brutalmente.

Spoilers!

Para mim, o grande problema é tratar Lembranças como um filme romântico. Na verdade, o enredo gira em torno de duas famílias atormentadas por seu passado. A união do casal principal é a chave para um novo começo nestas famílias.

Sou suspeita para analisar, pois gosto muito de filmes dramáticos, mas o público alvo de Lembranças (fãs da série Crepúsculo e apaixonadas pelo ator principal), talvez não gostem muito. A vantagem é atrair muita gente para assistir ao filme, mas a desvantagem é afastar pessoas realmente fãs do gênero por causa da comoção ao galã.



O filme tem uma narrativa lenta, com diálogos longos e fotografia escura. O cenário da trama mostra bem os dois lados de Nova Iorque: a periferia da cidade e o luxo de Upper East Side, com suas escolas de alto padrão.

Robert Pattinson interpreta bem um jovem que não é exatamente rebelde, mas sim amargurado, depressivo e que muitas vezes me passou um ar de descrente com a vida. Ele lida com a morte de um exemplo, seu irmão mais velho.

Com um pai ausente, Tyler passa a proteger sua irmã caçula, tendo uma relação quase paternal com ela. Provavelmente o único relacionamento no qual ele realmente se entregou, pelo menos até conhecer Ally.

A história de Ally é até mais traumática, mas fica em segundo plano (provavelmente para dar mais espaço para a estrela principal, e mais rentável, Pattinson). Na primeira cena do filme é mostrado o assassinato da mãe de Ally, vítima de latrocínio no metrô, em frente à filha de 11 anos.


Emilie de Ravin, que está sem seu sotaque australiano característico, está bem no papel, dando um ar juvenil a Ally. A personagem, que tinha tudo para ser retraída pelo trauma que passou, é exatamente o oposto, dando a animação necessária no enredo depressivo.

Lembranças foi dirigido por Allen Coulter, responsável por episódios de seriados de sucesso como Sex and the city, The Sopranos e Roma. Robert Pattinson, além de protagonista, também é produtor executivo do filme.

A trama é uma história de redenção, de autoconhecimento e amor, analisando a importância da família. No caminho, a história toca em outros assuntos como a amizade, a perda, o preconceito e, maiormente, o perdão. Um enredo para cativar e fazer chorar.

Detalhe: o final é surpreendente. Deixe os pré julgamentos de lado, esqueça que o filme é estrelado pelo galã de Crepúsculo, se atente aos detalhes e assista! Eu recomendo!

Confira o trailer de Lembranças:

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Crítica: Shrek Para Sempre

Está em cartaz na versão 2D e 3D o quarto e último filme da saga do ogro mais famoso do cinema, Shrek Para Sempre (Shrek Forever After).

Nesta aventura, Shrek virou um homem de família. Ao invés de ficar assustando os moradores locais, o ogro vive dando autógrafos. Pensando no passado, quando realmente se sentia temido, Shrek assina um contrato com o trambiqueiro Rumplestiltskin, que resulta em uma tragédia.

Sua vida muda completamente. Ele passa a viver em mundo que é o oposto do Reino Tão Tão Distante, em que os ogros são caçados. Além disso, ele e Fiona perdem seus postos, já que Rumplestiltskin toma os seus lugares ao se tornar o rei. Então, Shrek tem que desfazer seu erro, salvando seus amigos, sua terra e precisa mostrar a sua esposa Fiona que realmente a ama.

Spoilers!

O filme é razoável. A animação da Dreamworks tem um enredo redondo, sem falhas, mas para quem espera comédia: não se iluda. O filme é romântico! Sim, nada daquelas cenas hilárias neste quarto filme. As cenas de comédia são as já reveladas no trailer. Fora isso, nada demais!


O vilão da vez é Rumplestiltskin (aquele que, numa fábula clássica, roubava um bebezinho e só o devolvia quando seu nome era descoberto). O personagem não é engraçado e não há nenhuma referência de sua história original no filme.

A animação tem um clima excessivamente sombrio, com cenários devastados e cenas escuras. Como toda a história é passada num dia (período que Shrek tem para desfazer o feitiço), tive a impressão de que o filme foi muito rápido, corrido, apesar de seus 93 minutos de duração.

Desta vez posso afirmar que o 3D vale a pena. Dá uma boa diferença assistir com esta tecnologia. O filme, na sua versão original, tem o mesmo elenco dos três primeiros filmes no time de dublagem: Mike Myers (Shrek), Cameron Diaz (Fiona), Eddie Murphy (burro), Antonio Banderas (gato de botas) e Julie Andrews (rainha).

O filme teve a direção de Mike Mitchell. Apesar de ser estreante no mundo da animação, Mitchell tem na sua carreira filmes como "Gigolô por Acidente", "Sobrevivendo ao Natal" e "Super Escola de Heróis".


Para mim, a saga perdeu sua característica comédia inteligente com a saída do diretor Andrew Adamson (responsável pelos dois primeiros filmes). Shrek Para Sempre só não é pior que o terceiro filme.

Confira o trailer de Shrek Para Sempre:

domingo, 18 de julho de 2010

Do Fundo do Baú: Queen Rock Montreal

Se um dia pedissem para eu listar as melhores bandas de todos os tempos, com certeza, a britânica Queen estaria no topo! A banda, que fez um tremendo sucesso na década de 70 e 80, tinha John Deacon, no baixo; Brian May, guitarra; Roger Taylor, na bateria e Freddie Mercury, no vocal e piano.

sábado, 17 de julho de 2010

Resenha: Percy Jackson & os Olimpianos 4 - A Batalha do Labirinto

Um excelente livro de aventura: A Batalha do Labirinto (The Battle of the Labyrinth), quarto livro da série Percy Jackson & os Olimpianos (Percy Jackson & the Olympians) do escritor americano Rick Riordan. A série conta a história do adolescente Percy que, aos doze anos, descobre ser filho de Poseidon, deus dos mares. Eu fiz, no último mês, resenha de A Maldição do Titã, terceiro livro, que pode ser conferida aqui.

Em A Batalha do Labirinto, Percy e seus amigos partem numa jornada pelos corredores do gigantesco labirinto projetado por Dédalo a fim de impedir que o exército de Cronos, o Senhor dos Titãs, invada o Acampamento Meio-Sangue.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Comentários: True Blood 3x04 - 9 crimes

No domingo, dia 11, foi ao ar, pela HBO americana, o quarto episódio da 3ª temporada de True Blood, chamado 9 crimes.

Spoilers!
Para mim, até agora, foi o episódio mais lento de toda temporada. Muita falação e ação de verdade só mesmo no finzinho do episódio. A trama não está seguindo a do livro, então, ao meu ponto de vista, está um pouquinho enrolada. Espero que nos próximos episódios melhore.

Já nos primeiros minutos, Bill termina o relacionamento com Sookie via telefone, contando para ela até mesmo que fez sexo com Lorena. Totalmente desagradável esse Bill, que parece estar se entregando realmente ao seu “darkside”. As intenções dele, claro, é mantê-la afastada para que não corra perigo. (Sookie em perigo? Imagiiiina, isso nunca acontece). rs


No princípio ela sofre, chora, grita... a típica mulher largada pelo namorado. Chega ser engraçado, tadinha. E a Anna Paquin, como sempre digo, está ótima no papel! A vantagem é que sem o Bill na jogada é mais fácil a Sookie se encantar pelo lobisomem Alcide ou pelo LINDO vampiro Eric.

Eric, por sinal, com aparições memoráveis. A cena em que ele aparece voando na janela do apartamento da Sookie foi ótima! Quando eu li a cena no livro há uns meses eu imaginei exatamente dessa forma. Muito legal isso!

Finalmente apareceu a Debbie Pelt (metamorfa ex namorada de Alcide). A personagem, baseando-me nos livros, será a pedra no sapato da Sookie. No seriado ela é a mais nova integrante do bando de lobisomens que seguem ordens de Russell, rei de Mississipi.

O que eu não estou gostando da série é o lance do tráfego de “V” (sangue de vampiro). Na primeira temporada eu até curti, mas agora está meio forçado. Num momento do episódio Russell chega a oferecer seu sangue numa cerimônia, estilo um ritual bizarro.


No livro o que mais me agrada é a maneira quase casual que a escritora Charlaine Harris aborda todo o lance do sobrenatural... Mas, infelizmente, a série não está muito nessa linha. Vamos ver no que vai dar com o decorrer dos episódios.

Sam, para variar, sendo passado para trás. Agora por sua própria família. Depois de ser assaltado pelo irmão (também metamorfo), ele oferece ajuda aos parentes. Chega a ser irritante!

As melhores do episódio foram a Arlene e a Jessica, que agora virou garçonete do Merlotte.

Algo que não entendi foram as cenas em HotShot. No livro a área é habitada por homens panteras... no seriado é habitada por bandidos viciados em “V”? Sério mesmo?!


Bom, ADORO True Blood, mas não gostei deste episódio. Sorte que ainda temos mais aí pela frente para que as coisas se acertem!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Resenha: Beastly de Alex Flinn

Imagine saber o ponto de vista do monstro da fábula “A Bela e a Fera” (La Belle et la Bête de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve). Imagine essa história sendo adaptada nos dias atuais. E, indo mais além, imagine tudo isso acontecendo numa das maiores capitais do mundo: Nova Iorque. Imaginou? Pois bem, então você tem o enredo do livro Beastly da escritora americana Alex Flinn.

O livro, que só será lançado no Brasil em setembro de 2010, conta a história de Kyle Kingsbury, um garoto rico, bonito e popular que é transformado numa criatura monstruosa por uma bruxa, Kendra, após mentir sobre convidá-la ao baile.

Para desfazer o feitiço, Kyle precisa se apaixonar e receber um beijo de amor verdadeiro no prazo de dois anos, caso contrário ele ficará na forma de uma fera para sempre.

domingo, 11 de julho de 2010

Crítica: filme A Última Música

Baseado no bestseller do escritor Nicholas Sparks, A Última Música (The Last Song) chegou aos cinemas em junho protagonizado pela estrela teen Miley Cyrus (que interpreta Hanna Montana no Disney Channel).

O filme conta a história de Ronnie Miller (Miley), uma adolescente rebelde, que vai junto com o irmão caçula, Jonah (interpretado por Bobby Coleman), passar o verão com seu pai, Steve Miller (Greg Kinnear).

A jovem tem pouco contato com Steve desde o divórcio com sua mãe, o que gera diversos atritos entre pai e filha. Ele tenta se reaproximar dela por meio da única coisa que eles têm em comum − a música.

sábado, 10 de julho de 2010

Resenha: Dark Swan 1 - Storm Born

Sou fã da escritora norte-americana Richelle Mead. Por isso sou suspeita ao fazer comentários positivos sobre suas obras, mas, deixando isso de lado e sendo extremamente sincera: recomendo muito o livro Storm Born, primeiro de uma série de 4 chamada Dark Swan (nenhum deles, infelizmente, ainda foi lançado no Brasil).

Para quem não sabe, Richelle Mead é autora de mais duas séries sobrenaturais em andamento: O Beijo das Sombras (Vampire Academy), já com dois livros publicados no País, e Succubus Georgina Kincaid (que terá o livro um lançado pela editora nacional Planeta), esta última da qual faço parte do grupo de tradução não oficial da série.

Storm Born conta a história de Eugenie Markham, uma jovem e poderosa xamã que ganha a vida banindo seres não humanos para o Outro Mundo (um universo “sobrenatural” que existe paralelamente ao nosso).

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Resenha: O legado da Caça-vampiros – Crônicas Vampíricas de Gardella

Não é segredo para ninguém que sou fã de livros com temas sobrenaturais. Mas ultimamente estava sentindo falta de publicações que tratassem o assunto de forma mais clássica (não me entenda mal, ainda gosto de vampiros que brilham na luz do sol e coisas do gênero).

Seguindo essa linha de mitos sobrenaturais clássicos, foi lançado em maio no Brasil o livro O legado da Caça-vampiros – Crônicas Vampíricas de Gardella (The rest falls away - The Gardella Vampire Chronicles) da escritora norte americana Colleen Gleason. A obra faz parte de uma série com 5 livros (dos quais os 4 seguintes ainda não foram publicados no Brasil).

A história se passa na cidade de Londres em 1820, na época em que moças debutavam e suas mães faziam papéis de casamenteiras. No meio desse cenário, a personagem principal é Vitória Gardella, uma jovem de 19 anos que guarda um segredo. Por gerações os Gardellas são escolhidos para defender a sociedade dos mortos-vivos, são caça-vampiros, Venadores. E desta vez a escolhida foi Vitória.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Comentários: Pretty Little Liars - nova série da ABC Family

Pretty Little Liars, a mais nova série da ABC Family já pode ser considerada um relativo sucesso. Inicialmente teria somente 10 episódios, mas, com apenas três semanas de exibição, já ganhou a temporada completa, com 22 episódios além de 2ª temporada garantida.

No seriado, Alison (interpretada por Sasha Pieterse – de Heroes), garota popular e manipuladora, desaparece misteriosamente e não é encontrada pela policia nem viva e nem morta. Um ano depois, suas quatro amigas, Aria (Lucy Hale - de Privileged), Hanna (Ashley Benson - de Eastwick), Spencer (Troian Bellisario) e Emily (Shay Mitchell) passam a receber mensagens ameaçadoras assinadas por “A”, revelando terríveis segredos de cada uma delas.

Ainda assim, as quatro jovens seguem seus respectivos caminhos. Aria mantém uma relação com um de seus professores. Hanna passa o tempo roubando peças de roupas e acessórios no shopping. Spencer mantém um caso com o noivo da irmã. E Emily se vê sexualmente atraída pela vizinha.

A produção é inspirada em série de oito livros, escrita pela norte americana Sara Shepard, publicados entre 2006 e 2010, lançado pela Alloy Entertainment.

Spoilers!

A história é muito legal e a produção está bem feita. O elenco é eficiente, mesmo com bastante novatos. Gostei do tom de mistério do enredo e a mistura do gênero com as características de sucesso de tramas teens.

Eu me surpreendi com a ABC Family (que pertence ao grupo Wall Disney). Mesmo sendo a emissora de séries com temas pesados como The Secret Life of the American Teenager, Pretty Little Liars tem alguns assuntos bem polêmicos sendo tratados como relação extraconjugal, romance entre professor e aluna e homossexualismo. Gostei de ver que, mesmo de forma sutil, assuntos hoje tão comuns no dia-a-dia estão sendo retratados na tv americana. Mas não espere cenas fortes, aí seria pedir demais de uma emissora politicamente correta.

Presumo que não fui só eu que notei isso, mas a série tem muito o estilo seguido pelos filmes de terror adolescente da década de 90. O enredo lembra muito “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado” (I Know What You Did Last Summer - 1997) e “Pânico” (Scream - 1996). Como sou fã desse gênero, sou suspeita ao dizer que curti demais.

Apesar de tudo isso, o roteiro não é exatamente genial. As cenas ora são longas demais, ora rápidas demais. Existem cenas desnecessárias, com conversas que poderiam perfeitamente ter sido cortadas.


O enredo tem várias falhas. Algo que não é explicado é por que as meninas não rasteiam o número de celular e e-mail de onde elas recebem as mensagens? Não dá? Tudo bem, mas por que elas nem tentam? Fora situações bizarras no decorrer dos episódios como bilhetes ameaçadores sendo trazidos pelo vento e uma jovem cega que parece enxergar mais que todo mundo.

Tenho a impressão que em todo início de seriado, os responsáveis pela trilha sonora optam pelo pop até achar sua identidade. Percebi isso nos episódios piloto de Vampire Diaries e Gossip Girl, mas com o tempo eles ganharam características próprias. Presumo que com Pretty Little Liars será assim também. Nos episódios já ouvimos nomes como Colbie Caillat, 3OH!3, Chew Lips e outros que agora não lembro. hehe

Ainda não tive a oportunidade de ler os livros, mas já estão na minha listinha. Provavelmente nos próximos dias eu leia o primeiro. O único problema é que nenhum deles foi lançado no Brasil ainda, então só dá para ler em inglês mesmo. A editora Rocco (a mesma de Harry Potter) comprou os direitos e em breve deve sair a versão brasileira dos livros.


Ficou interessado em assistir? A ABC Family exibe Pretty Little Liars todas as terças-feiras, aproximadamente às 20 horas (horário de Brasília). Hoje, dia 6 de junho, foi transmitido o quinto episódio da primeira temporada “"Reality Bites Me"”. Segue o promo do episódio:


segunda-feira, 5 de julho de 2010

Pearl Jam - In Santiago

Uma dica para quem curte boa música: Pearl Jam - In Santiago. Gravado de uma apresentação feita em novembro de 2005 no estádio San Carlos de Apoquindo, na capital do Chile, o show foi editado para o Brasil pela gravadora Coqueiro Verde Records, neste ano de 2010, em formato DVD e CD.

O DVD vem com 22 canções, enquanto o CD com apenas 11. A maioria dos sucessos da carreira do grupo está no álbum como Even Flow, Do the Evolution, Jeremy, Alive e Black (para mim uma das melhores músicas de todos os tempos).

Além das canções da banda, Pearl Jam faz cover do Ramones, com a música I Believe in Miracles, e Neil Young, com a música Rocking in the Free World. O Eddie Vedder até arrisca várias palavras em espanhol. Show de bola!!!

domingo, 4 de julho de 2010

Dica de cinema: Cartas para Julieta


Uma dica para quem é fã do mais puro romance: vá assistir ao filme Cartas para Julieta (Letters to Juliet) no cinema!

O filme, que estreou no Brasil na véspera do Dia dos Namorados (11/06), conta a história de Sophie (interpretada por Amanda Seyfried – de Mamma Mia), uma garota americana que vai passar as férias na Itália com o noivo.

Ao visitar a casa de Julieta (do romance Romeu & Julieta), um dos pontos turísticos da cidade de Verona, Sophia se depara com uma parede cheia de cartas, em que mulheres apaixonadas pedem ajuda a personagem criada por William Shakespeare em seus problemas no amor.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Dica de cinema: Eclipse – Saga Crepúsculo

Estreou ontem, dia 30 de junho, a tão aguardada terceira parte da Saga Crepúsculo, Eclipse (The Twilight Saga: Eclipse), nos cinemas de todo o mundo.

O filme conta a história da relação entre uma humana e um vampiro, além do triângulo amoroso com um lobisomen. Para quem não sabe (acho difícil alguém não saber), as produções são inspiradas nos bestsellers da americana Stephenie Meyer, que já venderam mais de 100 milhões de cópias ao redor do mundo, com traduções em 20 línguas diferentes, para 50 países.

Na terceira parte da saga, acompanhamos o que aconteceu com Bella Swan (Kristen Stewart) após o pedido de casamento feito pelo LINDO vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson) no final de Lua Nova (The Twilight Saga: New Moon).

Capa de Hands All Over - Maroon 5


O Maroon 5 divulgou a capa do seu novo álbum, Hands All Over, que será lançado dia 21 de setembro. Eu achei legal, mas meio bizarra. Particularmente eu prefiro capas com os componentes da banda nela.
Como já comentei aqui no blog, o primeiro single da banda, Misery, já foi lançado e já está rolando nas rádios americanas e pela internet.
Segue o novo video clipe da música Misery:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Visitas

Link-me