quinta-feira, 14 de abril de 2011

Resenha: Wikileaks - A guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado

Um livro que mostra os bastidores de uma guerra e narra a luta de uma “organização” para expor ao mundo as atrocidades cometidas em nome da ordem e, claro, da manutenção do poder do mais forte. De forma geral, este é o tema principal do livro “Wikileaks: A guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado” (Wikileaks: Inside Julian Assange’s war on secrecy), escrito pelos jornalistas do The Guardian David Leigh e Luke Harding. O livro, lançado este ano pela editora Verus, me impressionou demais com a forma realista como os fatos são contados. Muito bom.

Sinopse: Com direitos já vendidos para oito países, WikiLeaks: A Guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado é o primeiro relato detalhado sobre o fenômeno WikiLeaks.
Do lançamento do site, em 2006, até os mais recentes acontecimentos neste drama que define uma era, o livro conta a verdadeira história por trás das manchetes, em um registro cativante e revelador que traz o leitor até o momento presente.
Os autores, jornalistas do The Guardian liderados por David Leigh, editor investigativo, e Luke Harding, correspondente em Moscou, estiveram no centro da cobertura do maior vazamento de informações secretas da história. Trabalhando com o correspondente do Guardian em Nova York, Ed Pilkington, eles tiveram acesso sem precedentes aos personagens principais dessa história, de diplomatas e políticos ao ex-porta-voz do WikiLeaks, Daniel Domscheit-Berg, e o próprio Julian Assange.
Em WikiLeaks: A Guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado, os jornalistas destrincham o fenômeno WikiLeaks e exploram as muitas peças de um quebra-cabeça que continua a dominar as manchetes mundiais.
Eles examinam a cultura da internet que tornou possível a revelação de informações sigilosas e os hackers fanáticos que formaram a base do WikiLeaks. Exploram os eventos secretos que o site divulgou, da revelação de execuções de civis no Quênia em 2008 à avalanche de telegramas diplomáticos dos Estados Unidos em 2010.
Os autores ainda analisam as implicações das mais recentes revelações do WikiLeaks e desvelam a natureza estranha e contraditória de Julian Assange - um homem elogiado pela Anistia Internacional em 2009, mas que, menos de um ano depois, seria acusado pela polícia sueca de crimes sexuais.
Até agora, a história do WikiLeaks foi revelada de maneira fragmentada. O livro WikiLeaks: A Guerra de Julian Assange Contra os Segredos de Estado apresenta o quadro completo.

Geralmente não passo mais de uma semana com o mesmo livro em mãos. Costumo mesmo ler rápido. Mas a leitura desta obra sobre o Wikileaks me tomou um certo tempo, pois não consegui deixar de consultar na internet sobre cada caso, cada vídeo e reportagem citada no livro. Tudo me intrigou de forma muito forte e me envolvi demais com a leitura.

Ano passado eu soube, através dos jornais, sobre o vazamento de um vídeo que mostrava militares norte-americanos matando jornalistas no Iraque. E foi nesta época que ouvi falar pela primeira vez do site Wikileaks. Mas confesso que tudo isso pouco me “interessou” até agora, quando comecei a ler este livro.

Durante a leitura acompanhamos a forma como o tal vídeo (e milhares de documentos secretos) vazaram, descobrimos todo o trabalho feito para a divulgação destes conteúdos e também o esforço de um australiano que passou de um simples hacker para o dono do maior site para publicação de informações confidenciais.

Se tem algo que tenha me decepcionado no trabalho do livro é que eu esperava saber mais sobre a vida de Julian Assange. Achei que o passado do criador do Wikileaks fosse melhor narrado. O livro é escrito por dois jornalistas que apesar de estarem bastante envolvidos na divulgação dos documentos militares secretos não mostram o ponto de vista de Assange. Achei que o livro teria depoimentos do próprio, mas não tem (com exceção de transcrições de entrevistas para TVs e Jornais já realizadas).

Apesar disso, gostei muito de acompanhar o “quartel general” que o The Guardian montou, junto com outros veículos de comunicação do mundo, para organizar o plano de ação para a divulgação das informações. E fiquei muito impressionada com a forma como inicialmente os dados foram roubados: pelas mãos de um soldado raso, que copiou todo o material em um CD Regravável da Lady Gaga. E por sinal este soldado, Bradley Manning, atualmente está preso e sendo praticamente torturado pelo exército americano por ser o responsável por este vazamento.

O livro, mesmo com bastantes nomes técnicos na área da informática e da política internacional, tem poucas notas de rodapé. No geral as informações são sempre seguidas de descrições e explicações sobre os assuntos dentro do próprio texto. Para mim, o livro ter sido escrito por dois jornalistas foi essencial por isso. Um leigo pode ler esta obra e com certeza vai entender tudo o que está sendo descrito.

E falando em Jornalismo (minha área profissional também), o livro deixou bem claro que no dia a dia a internet tem um papel muito importante para a divulgação de informações com relevância ao grande público. E que o Jornalismo contemporâneo está diretamente atrelado às mídias digitais para manter a população bem informada.

Para quem ainda não assistiu ao vídeo divulgado pelo Wikileaks e intitulado Collateral Murder, assista abaixo. As cenas são fortes e, pior, são reais. É triste demais saber que o ser humano pode ser tão cruel assim. No primeiro vídeo vemos oficiais do Exército dos Estados Unidos matando 11 iraquianos desarmados e entre eles um fotógrafo e um motorista que trabalhavam para a Agência de Notícias Reuters, em 2007. É chocante a frieza dos militares:


Já neste vídeo vemos a tentativa de resgate dos corpos e, novamente, o ataque frio dos militares americanos a uma van com duas crianças:


Pesquisando sobre o Wikileaks durante a minha leitura, achei um abaixo assinado online pedindo o término da suposta tortura que o soldado Bradley Manning está passando. Caso também queira assinar, clique aqui.

Bom, o livro é forte e, apesar da leitura ser fácil e fluir bem, é tensa e profunda. Prepare-se para refletir durante dias sobre uma guerra sem fim... e para se perguntar o quanto de informações estão escondidas do grande público. “Wikileaks: A guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado” é o tipo de livro que PRECISA ser lido. Fica a dica!

Ficha Técnica

Título Original: Wikileaks: Inside Julian Assange’s war on Secrecy
Título Nacional: Wikileaks: A guerra de Julian Assange contra os Segredos de Estado
Autor: David Leigh e Luke Harding
Ano de lançamento no Brasil: 2011
Editora: Verus
Minha avaliação:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Visitas

Link-me