sexta-feira, 13 de maio de 2011

Resenha: Eu sou o número quatro, de Pittacus Lore

Uma história sobre alienígenas com os principais ingredientes de sucesso da literatura contemporânea. Eu Sou o Número Quatro (I’m Number Four), escrito pelos norte-americanos James Frey e Jobie Hughes, que assinam a obra sob o pseudônimo Pittacus Lore (um personagem fictício na trama) foi lançado este ano no Brasil pela editora Intrínseca e ganhou uma adaptação cinematográfica pelo estúdio Dreamworks.

Sinopse: A obra conta que no passado, nove jovens alienígenas fugiram do planeta Lorien, ameaçado pelos Mogadorians, para se esconder na Terra. Uma vez aqui, e na medida em que se tornaram adultos, começaram a desenvolver poderes sobrenaturais. Mas os invasores estão dispostos a pegá-los e isso precisa acontecer na seqüência certa, já que eles são reconhecidos por números. Um, Dois e Três já foram assassinados e agora o número quatro conhecido entre os humanos como John Smith será o próximo alvo. Ele muda-se para Paradise, no estado de Ohio, disfarçado de estudante colegial e lá conhece Sarah Hart, por quem se apaixona e começa a acreditar ser ela um bom motivo para deixar de fugir. O planeta Lorien foi destruído. Os habitantes foram dizimados, exceto nove crianças e seus Guardiões, que se exilaram na Terra. Mas a raça que devastou aquele planeta os seguiu. Os Nove estão sendo caçados. A guerra deles chegou à Terra, e aqui será decidida.

No início, imaginei que o livro seria essencialmente ficção científica, com história sobre alienígenas e planos de dominação da Terra. De fato tudo isso é tratado no livro, mas em Eu Sou o Número Quatro a história principal é a tentativa de adaptação e de ligação de um jovem adolescente diferente dos demais.

Quatro, ou John Smith (nome que ele adota), cresceu sabendo que é um dos poucos de sua espécie que conseguiu fugir do planeta Lorien. Por ter crescido na Terra, sofre de diversas dúvidas comuns entre jovens terráqueos como problemas na escola, mas, além disso, precisa lidar todos os dias com o peso de manter viva uma cultura e modo de vida. Isso sem contar, é claro, com a ameaça constante dos Mogadorianos, raça de alienígenas que destruiu seu planeta natal.

O livro é longo, com cenas pontuais de ação. Mas, apesar disso, do último terço da obra em diante o leitor não consegue tirar os olhos da página do livro. A história ganha uma grande intensidade, poucas vezes conseguida em livros que narram batalhas. Gostei muito.

Os personagens da história são eficientes, mas a história toda cai diversas vezes no clichê: mocinho de bom coração que é perseguido, mocinha frágil e bondosa, jogador de futebol metido a valentão, melhor amigo nerd e um final que faz o leitor chorar litros. Não tive grandes surpresas com a obra. Mas a narração do livro é de qualidade, descritiva, que torna os clichês irrelevantes durante a história.

Um fato interessante é que o livro foi escrito por duas pessoas que se passam por Pittacus Lore, o ancião de Lorien a quem foi confiada a história dos Nove que fugiram do planeta. Eu só descobri essa informação depois que terminei a leitura, mas confesso que não notei qualquer tipo de mudança ou discrepâncias na narração. A história é ótima e bem amarrada.

Eu sou o Número Quatro é o primeiro livro da série Os Legados de Lorien, que terá seu próximo volume lançado nos EUA em 23 de agosto de 2011, com o nome The Power of Six (O Poder dos Seis). Por ser uma série, o final deixa muitas informações em aberto. Muitas explicações ficarão para os próximos livros. Mas isso de forma alguma deixou a história menos interessante. Vale a pena ler. Fica a dica.

Ficha Técnica:

Título Original: I’m Number Four
Título Nacional: Eu Sou o Número Quatro
Autor: Pittacus Lore
Ano de lançamento no Brasil: 2011
Editora: Intrínseca
Minha avaliação:


E lembrando que tem promoção no blog valendo um exemplar do livro Eu Sou o Número Quatro. Para saber como participar, clique aqui.

Beijinhos! Fiquem com Deus!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Visitas

Link-me