sábado, 15 de outubro de 2011

Resenha: A Cabana, de William P. Young

Confesso que eu sou uma leitora meio cética às vezes e, em muitas outras, quando tenho idéias formadas sobre o assunto narrado, eu tendo a não abrir muito minha mente ao enredo. É um defeito meu, eu sei. Mas apesar disso consigo admitir quando tenho nas mãos uma boa obra literária, mesmo quando algumas coisas nela entram em conflito com outras das quais acredito. Um pouco disso aconteceu durante minha leitura de A Cabana (The Shack), do escritor canadense William P. Young. O livro já virou um bestseller ao redor do mundo e me surpreendeu tanto pela sua qualidade quanto pelo enredo. A Cabana foi lançado no Brasil em 2008 pela editora Sextante.

Sinopse: A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta ao cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre. Num mundo em que religião parece tornar-se irrelevante, "A Cabana" invoca a pergunta: "Se deus é tão poderoso e tão cheio de amor, por que não faz nada para amenizar a dor e o sofrimento do mundo?" As respostas encontradas por Mack surpreenderão você e, provavelmente, o transformarão tanto quanto ele.

Durante o lançamento da publicação, na Bienal do Livro de 2008, em São Paulo, fiquei muito tentada a comprá-lo, mas acabei não fazendo isso e desde então vinha adiando a leitura. Já tinha lido diversos comentários positivos sobre a obra, mas por falta de tempo, e questões de prioridades literárias, acabei adiando, tendo a oportunidade somente há uns dias. Como citei antes, o livro realmente me surpreendeu, tanto de forma positiva como negativa.

Primeiramente, algo que se deve deixar claro é que A Cabana não é um livro comum. Não é fácil de ler. Diversos questionamentos são feitos no decorrer da trama que nos fazem parar e refletir sobre o assunto, exigindo uma concentração maior na tarefa. É como um livro de auto-ajuda, mas mais focado na alma. Com certeza, esta obra mexe de alguma forma com o leitor.

Acredito que o problema dos bestsellers é criar uma expectativa no leitor, que muitas vezes acaba não se cumprindo. Eu esperava demais de A Cabana e acho que por isso fiquei um pouco desapontada. Não me entendam mal, não tenho a pretensão de contradizer milhares de pessoas ao redor do mundo que elogiam o livro, ele é ótimo a sua maneira, mas esperava mais um romance (como gênero literário) e menos um livro motivacional.

A história gira em torno da “Grande Tristeza”, estágio que Mack se encontra desde o suposto assassinato de sua filha, e seu encontro com Deus na cabana onde a menina teria sido morta. O enredo é pesado, mas necessário tendo em vista todas as lições pelas quais Mack passa durante a trama. As dúvidas que o protagonista apresenta são tão comuns, que o torna real. Como se o personagem pudesse ser qualquer um de nós, sempre se martirizando, se culpando ou mesmo simplesmente questionando as decisões de Deus na nossa vida.

De acordo com o livro, Deus, Jesus e o Espírito Santo são diferentes aspectos de um Ser único, ao invés de três pessoas distintas. E a partir desta idéia, Mack entende partes da estrutura de como guiamos nossa vida e nossa relação com o Divino, interagindo com estes três lados de Deus. Além disso, um dos aspectos tratados no livro é como as decisões dos seres humanos interferem diretamente em suas vidas e, devido ao livre arbítrio, apesar de poder agir de forma a impedir que certas coisas aconteçam, Deus não o faz. Embora Ele possa criar um “bem” de um “mal”, ele nem sempre tem a motivação de impedi-lo de acontecer. Diversos outros tópicos são abordados no livro e, apesar de não concordar com alguns, todos são muito bem explicados e amarrados à trama e vida do protagonista.

A Cabana é um daqueles livros que todos deveriam ler, independentemente da religião ou credo. Apesar de causar esta primeira impressão ao leitor, ele não é necessariamente um livro para se “concordar ou discordar”, mas sim para refletir e transportar seus pensamentos para nossa vida real. É uma obra muito bem escrita e de uma sensibilidade peculiar.

Ficha Técnica

Titulo Original: The Shack
Título Nacional: A Cabana
Autor: William P. Young
Ano de lançamento no Brasil: 2008
Editora: Sextante
Avaliação:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Visitas

Link-me